Blog para Investir

Educação Financeira

Segurança financeira: Mito ou sonho possível?

Segurança financeira: Mito ou sonho possível?

Atualizado em 04/03/2022 às 2:32

Banner da noticia Segurança financeira: Mito ou sonho possível?

Compartilhe


Conquistar a segurança financeira é um propósito de praticamente qualquer pessoa. Possuir dinheiro de sobra e, assim, não sofrer apuros nas horas de imprevisto são desejos que muitos indivíduos têm.

Contudo, poucos são os que conseguem alcançar uma situação de estabilidade quando o assunto diz respeito às finanças.

Para muita gente, chegar a um status de tranquilidade nas questões que envolvem dinheiro se compara à escalada de uma alta montanha. Diante das dificuldades desse caminho rumo à independência financeira, vários aspirantes a uma vida de riqueza se deixam desanimar e ficam pelo percurso.

Alguns até têm força de vontade, porém, devido à falta de conhecimento na área de investimentos, às vezes só conseguem formar uma reserva de emergência, sem acumular patrimônio de fato.

Com o objetivo de mostrar a você que é possível, sim, obter a sonhada segurança financeira, apresentamos a seguir certas etapas necessárias para se chegar a esse estágio. Confira!

Conheça a fundo a sua situação atual

Fazer uma viagem, sem se planejar, é no mínimo um grande risco, concorda? Do mesmo modo, se você quer realmente mudar de vida e construir um patrimônio sólido para proporcionar tranquilidade à família, é indispensável que faça um diagnóstico do seu estágio atual.

Por incrível que pareça, muita gente desconhece o quanto ganha mensalmente e muito menos sabe o quanto deve. Tal realidade simplesmente impede que uma iniciativa de busca pela segurança financeira dê certo.

Na área de administração há uma famosa frase, segundo a qual não se pode gerenciar aquilo que não se mensura. Logo, o passo inicial para mudar os seus hábitos em relação às finanças é conhecer exatamente as suas receitas e as suas despesas.

Dessa forma, você passa a ter um panorama confiável dos seus gastos, ou seja, entende para onde é destinada a sua renda, além de saber a sua capacidade financeira.

Com esse conhecimento, você poderá criar estratégias para economizar e, mais tarde, investir.

Após o diagnóstico, é possível identificar se a situação das finanças é superavitária (ganhos maiores do que gastos), deficitária (débitos maiores do que a renda) ou, somente, equilibrada (receitas iguais às despesas).

Note que essa investigação da própria vida funciona como a compreensão do “terreno” para se fazer uma escalada. Só depois disso dá para pensar em uma tática para vencer o obstáculo, afinal, o que serve para uma pessoa pode não se adequar para outra.

Negligenciar tal etapa compara-se a “caminhar no escuro”, sem qualquer planejamento e exposto aos riscos do trajeto.

Se a pessoa se “esquece” que em determinada época do ano tem mais gastos do que o habitual e, por isso, não se prepara para tal ocasião, a tendência é que venha a se endividar.

Viva sempre um degrau abaixo dos seus ganhos

Para alcançar o status de segurança financeira, é essencial que as “entradas” de recursos sejam superiores às “saídas”. Fazer isso ocorrer requer planejamento, por meio da elaboração de um orçamento doméstico detalhado, mas também disciplina e foco.

Lembre-se de que planejar é tomar decisões de forma antecipada. Ao prever receitas e fixar despesas na etapa de orçamento, você gerencia o seu dinheiro sem o ter gastado de fato.

Assim, é possível fazer ajustes para que dê para pagar todas as contas e ainda sobre recursos para a construção da segurança financeira.

Para que haja excedente no final do mês, você precisa aprender a viver em um patamar abaixo dos seus ganhos. Logo, isso significa não esbanjar, mas guardar o “superávit” para formar patrimônio e, mais tarde, aproveitar os frutos dessa acumulação.

Um erro muito comum das pessoas que começam a poupar é, no primeiro sinal de rendimento dos valores guardados, gastar as economias com bens, viagens, roupas etc.

Tal equívoco atrapalha a geração de riqueza e, em muitos casos, faz com que o indivíduo volte à estaca zero nessa jornada em busca da estabilidade financeira.

Ninguém planta uma árvore frutífera e espera colher já nas semanas seguintes, não é mesmo? Logo, é preciso dar tempo para que o dinheiro seja acumulado e se multiplique. Só, então, com a “árvore crescida”, é possível saborear os frutos de modo sustentável.

Tenha uma reserva de emergência

Raramente uma pessoa enxerga o dinheiro como um fim em si mesmo, mas sim como um meio para adquirir um melhor padrão de vida e garantir tranquilidade para a família.

Nesse sentido, construir uma reserva de emergência é um fator fundamental na concretização da segurança financeira.

Com esse “colchão de dinheiro” é possível atenuar os impactos de imprevistos, como perda de emprego, algum tipo de acidente, doença, necessidade etc.

O ideal é guardar um valor que seja corresponde à renda habitual e que dure determinado período do tempo, como seis meses, um ano ou até mesmo dois anos de salário.

Dessa maneira, na ocorrência de uma situação negativa que seja prolongada, a família passa a ter condições de se manter até que consiga superar o acontecimento.

Saiba investir para alcançar a segurança financeira

Dispor de uma reserva de emergência é como construir o alicerce de uma casa, ou seja, não basta parar por aí, é necessário também erguer as paredes.

Na vida financeira, tal atitude se compara a fazer o dinheiro guardado render, de preferência, por intermédio de aplicações financeiras que ofereçam ganhos reais, ou seja, acima da inflação.

Ainda assim, antes de investir, é recomendável que você busque conhecimentos de educação financeira, para entender os riscos envolvidos em cada operação e, assim, escolher os produtos mais adequados à própria realidade.

Se você é conservador e não admite perdas, uma boa opção de investimento é aplicar recursos na chamada renda fixa, cujos ganhos são mais previsíveis e regulares em comparação com os ativos de renda variável, marcados pela frequente oscilação dos resultados para cima e para baixo.

Assim, os Certificados de Depósito Bancário ( CDBs) se mostram bastante atrativos para quem quer começar a jornada em busca de segurança financeira. Afinal, com R$ 1000 já é possível iniciar um investimento e, desse modo, se preparar com mais tranquilidade para o futuro.

Com isso, você evita de ficar numa faixa de “senso comum”, em que a caderneta de poupança e a previdência social são a esperança de uma vida melhor.

Quer receber mais dicas? Confira também o post “Como garantir o futuro financeiro da sua família?”.

Assine a newsletter Paraná Banco Investimentos e receba conteúdos exclusivos:

Veja também

WhatsApp icon